O Homem Surdo e Mudo Curado

“Então, lhe trouxeram um surdo e gago e lhe suplicaram que impusesse as mãos sobre ele.
Jesus, tirando-o da multidão, à parte, pôs-lhe os dedos nos ouvidos e lhe tocou a língua com saliva;
depois, erguendo os olhos ao céu, suspirou e disse: Efatá!, que quer dizer: Abre-te!
Abriram-se-lhe os ouvidos, e logo se lhe soltou o empecilho da língua, e falava desembaraçadamente.
Mas lhes ordenou que a ninguém o dissessem; contudo, quanto mais recomendava, tanto mais eles o divulgavam.
Maravilhavam-se sobremaneira, dizendo: Tudo ele tem feito esplendidamente bem; não somente faz ouvir os surdos, como falar os mudos.” (Marcos 7.32-37)

Do milagre que temos diante de nós, podemos considerar,
I. A maneira pela qual ele foi realizado.
Muitas lições instrutivas podem ser aprendidas a partir de uma pesquisa atenta da conduta de nosso Senhor em cada parte de sua vida. Sua maneira de realizar esse milagre é peculiarmente digna de nota. Ele foi,
Humilde
Ele “levou o homem para além da multidão” que o rodeava; não porque estivesse com medo de ter seus milagres inspecionados e examinados; pois a maior parte deles foi realizada publicamente diante de todos, mas em algumas ocasiões ele achou melhor ocultar as suas obras. Ele não desejava que a inveja dos sacerdotes fosse excitada, ou o ciúme dos governantes. Ele trabalhou também para evitar toda a aparência de ostentação; ele iria nos mostrar através do seu exemplo como nossos atos de beneficência devem ser realizados, e que nunca devem ser pelo amor dos aplausos dos homens. Por isso ele exigiu que esse milagre não fosse divulgado. Ele também ” olhou para o céu “, em reconhecimento da participação de seu Pai. Não, porque não tivesse em si mesmo todo o poder para fazer tudo o que quisesse; mas, como Mediador, ele tudo fazia pela intermediação de seu Pai celestial, e, portanto, dirigia os olhos dos homens a ele como a fonte de todo o bem. Assim, ele nos ensina a olhar para o céu para ajuda, mesmo naquelas coisas para as quais poderíamos supor ser suficientes, e a buscar em cada coisa, não a nossa glória, mas a glória de Deus.
Compassivo
Sensibilizado com piedade para o objeto diante dele, “suspirou”. Ele não podia sequer ver as presentes misérias produzida pelo pecado, sem comiseração profunda. Assim, ele mostrou como era apto para ser o nosso grande sumo sacerdote, e como devemos sentir em relação aos outros, e para suportar as suas cargas. Nunca deveríamos ver as enfermidades físicas dos outros sem o desejo de aliviá-los; nem, sem gratidão a Deus pelo uso contínuo de nossas próprias faculdades.

Soberano
Embora ele tivesse olhado para o céu, ele operou o milagre por seu próprio poder. Ele tinha somente que emitir o comando: “seja aberto” (Efatá). Aquele que disse uma vez: Haja luz , e houve luz, precisava apenas expressar a sua vontade, a fim de ser obedecida.
Imediatamente o homem recebeu o perfeito uso de suas faculdades; e, embora ordenado a guardar segredo, tornou-se um instrumento ativo para espalhar o louvor a seu Benfeitor.

Misterioso
Nosso Senhor teve o prazer de colocar o seu dedo nos ouvidos do homem, e de tocar a sua língua com o dedo, o qual ele tinha previamente umedecido com sua própria saliva. Qual foi a intenção precisa destes meios, não podemos determinar. Certamente não tinham qualquer conexão necessária com a restauração das faculdades do homem, mas eles não estão sem o seu uso no que respeita a nós. Eles mostram que não há meios, sejam quais forem em si mesmos, que sejam inadequados para o final proposto, que ele não possa fazer uso para a sua própria glória, e que nos levam a nos submeter a qualquer meio pelo qual possa ser do seu agrado para nos transmitir seus benefícios.
Mas, para considerações mais minuciosas, há outras que podem surgir a partir de uma visão mais geral do milagre:
II. A melhoria que devemos fazer dele.
Todos os milagres tinham a intenção de confirmar a doutrina entregue por nosso Senhor.
Podemos muito bem, portanto, considerar isso como,

1. Uma prova de sua missão.
Há muito tempo havia sido predito que o Messias deveria realizar milagres. A restauração dos homens, para o uso de suas faculdades estava entre o número de obras que deveriam ser operadas por ele, Is 35.5,6. Aqui, então, a profecia recebeu uma realização literal.
Nós desfrutamos de fato de tal abundante luz e evidência que não precisamos do apoio de um único milagre; assim todos os milagres coletivamente, ou individualmente, nos asseguram além de qualquer dúvida, que Jesus é o Messias (Cristo).

2. Uma amostra de seu trabalho.
Jesus tinha um trabalho muito maior do que a cura de distúrbios corporais, Ele é o grande médico, cujo ofício é o de curar as almas dos homens. Os sinais que ele fazia nos dias da sua carne eram apenas sombras daqueles que ele tinha sido comissionado para executar. Ele desobstruiu os ouvidos dos homens, de modo que eles possam “ouvir a sua voz, e viver”, ele solta a língua de modo que eles possam mostrar o Seu louvor. Isso ele faz pela energia invisível, mas eficaz do seu Espírito. Que aqueles que ainda nunca ouviram a sua voz, implorem pela sua ajuda; que aqueles que ainda não o louvam, supliquem pelo seu favor. Em breve todas as enfermidades naturais ou adquiridas serão curadas pela sua palavra, e “Efatá” será o início de uma nova vida celestial.
3. Um estímulo para que todos possam recorrer a ele.
O objeto de sua compaixão nada tinha para que fosse recomendado a ele; o seu desejo de alívio foi suficiente para suscitar a piedade de nosso Senhor. Quem então, deveria permanecer distante de Jesus, por conta de sua indignidade? Devemos fazer de nossas enfermidades uma razão para continuar longe dele? Não deveríamos ter por meio delas ocasião para lhe suplicar mais intensamente? E ele não se alegraria em manifestar o seu poder e amor para conosco?
Que cada um, então, o busque com humildade e fé. Nenhum distúrbio, por mais complicado que seja, poderá resistir à Sua vontade. O crente suplicante experimentará em breve a eficácia da Sua graça, e terá a oportunidade de adicionar o seu testemunho aos daqueles do passado.

Texto de Charles Simeon, em domínio público, traduzido e adaptado pelo Pr Silvio Dutra.
Fonte:http://estudos.gospelmais.com.br/

Share:

0 comentários