Anos antes de ser presidente dos EUA (1901–09), Theodore Roosevelt soube que seu filho Theodore Jr. estava doente. Embora Ted fosse se recuperar, a causa de sua doença golpeou o pai fortemente. Os médicos lhe disseram que ele era a causa da doença de seu filho. Ted estava sofrendo de “esgotamento nervoso”, tendo sido impiedosamente pressionado pelo pai a ser o herói “lutador” que o pai não fora durante sua frágil infância. Ao ouvir isso, Roosevelt pai prometeu ceder: “Nunca mais pressionarei Ted, no corpo ou na mente”.
O pai cumpriu a sua palavra. A partir de então, atentou ao modo como tratava seu filho — que lideraria bravamente o desembarque dos aliados na Normandia, na Segunda Guerra Mundial.
Deus confiou a todos nós influência sobre a vida dos outros. Temos profunda responsabilidade nos relacionamentos com cônjuges, filhos, amigos, funcionários e clientes. A tentação de pressionar ou exigir demais, forçar o avanço ou orquestrar o sucesso pode nos levar a prejudicar os outros, mesmo quando não percebemos. Exatamente por isso, os cristãos são instados a serem pacientes e brandos com os outros (Colossenses 3:12). Se Jesus, o Filho de Deus, veio em humildade, como podemos não ser bondosos uns com os outros?